quarta-feira, 26 de junho de 2013

DECLARAÇÃO DI AMO DU MATUTO

Caboclinha ci oçê subesse
como é tristi o meu pená,
vê oçê passa todo dia
i nen pode mi incosta.

Caboclinha ci ocê subesse
como e lindo seu oiá,
nem oiava pras istrela
pras bichinha num invejá.

Caboclinha si oçê subesse
a vontade qui mi dá
de passa a mão nu seu cabelo
qui parece as onda du mar.

Caboclinha ci oçê subesse
como e lindo seu requebra,
num ia na bahia
pras baina num copiá.

Caboclinha meu desejo
é nu seu corpo marejar,
como mareja um barquinho
balançando pra lá, pra cá.

Caboclinha si oçê dexasse
eu ao menos buliná,
nesse seu rostinho
um beijino eu ia dá.

Coboclinha vem cumigo
vamo junto pro cartóro,
cê vai cê minha santinha
ieu vô cê seu oratório.